domingo, 24 de junho de 2012

REENGENHARIA DO TEMPO...


by Candido Portinari


REENGENHARIA DO TEMPO...

A palavra reengenharia entrou na língua inglesa ao longo dos anos 90 quando, em função da competitividade internacional e da globalização, as grandes corporações fizeram tabula rasa  de seus métodos de produção e gestão, para tornar-se mais eficientes.
A isso chamaram de reengineering...
Mudaram seus procedimentos e grande parte de seus efetivos foi despedida.
O impacto social foi penoso, enquanto os lucros das empresas aumentavam.

Ou tudo que precisava de reengenharia foi reengenherado, ou a palavra saiu de moda...
Ou a reengenharia do tempo, se é que foi feita, não deu certo?

Pois resta o  fato  que o tempo continua sendo uma aflição constante no mundo contemporâneo.
Temos a sensação de que não há tempo para fazer nem o que nos cabe, nem o que nos apraz...
O cotidiano de homens e mulheres trabalhando a tempo integral deu visibilidade à importância
do privado e ao tempo que ele requer.
Um repensar as relações de genêro, o futuro da família e uma nova articulação
 entre mundo do trabalho e vida privada torna-se necessário.

Tempo não é dinheiro - como costuma-se dizer...
Tempo é a a matéria-prima da vida, esgotável,
por demais preciosa para ser malbaratada...

O tempo é então a primeira conquista...

(Rothko)


GANHANDO A VIDA...

De forma geral, a expressão "ganhar a vida" significa garantir a sobrevivência
graças a um trabalho remunerado.
Mas a mesma expressão, lida ao pé da letra, pode significar recuperar a vida,
trazê-la de volta em suas múltiplas dimensões de fruição do mundo, 
andando na contramão da inclemente invasão da mentalidade produtivista,
 que expropria a vida privada, tragando os momentos do amor e do lazer.

Ganhar a vida significa, antes de mais nada, reapropriar-se de sua matéria-prima:
o tempo...

O tempo, esse bem tão raro que não pode ser comprado, pelo menos não além de um certo limite...
Porque o tempo, a morte não vende...

Antes ganhávamos a vida no trabalho.
Hoje é o trabalho que ganha nossa vida.
Na medida em que a vida produtiva ganha terreno sobre o tempo da vida afetiva,
é o cotidiano das pessoas que vai moldando uma sociedade em que encolhem os vínculos fundamentais, esvaziados assim de sua própria humanidade.  

Há quem reconheça na época do avanço tecnológico em que vivemos um novo Renascimento.
Mas, no plano social, deslizamos para uma pré-história, em que a sobrevivência era o único objetivo.
Recriou-se no mundo contemporâneo uma selva em que a agressividade e a competição são valores centrais, a seleção natural reinventada em seleção cultural e economica.
Cada um de nós é transformado diariamente em um predador, tanto mais bem-sucedido quanto mais feroz e astuto, empenhado na destruição do outro, condição mesma do sucesso.
E, mais espantoso e estarrecedor ainda, é o fato de que esse gigantesco retrocesso
é apresentado ao mundo como modernidade...

A convivência humana, construida sobre normas e comportamentos múltiplos, é uma conquista permanente, criacão ativa e cotidiana, uma rebelião original contra a fera ancestral que nos habita.
Mas não nos enganemos...
Domesticada, ela pode enlouquecer a qualquer momento, excitada pelas ameaças dessa nova selva
e nos levar de volta à barbárie.
A reengenharia do tempo é uma tentativa de repensar o cotidiano de homens e mulheres,
com vistas a aumentar sua qualidade de vida e seu produto de felicidade bruto.

A conciliação entre vida privada e vida profissional é tarefa difícil...
A reengenharia do tempo é uma aposta em que está em jogo o reconhecimento da diversidade dos homens e das mulheres, de sua incontornável igualdade de direitos e
de aspiração à liberdade e à felicidade.
É um exercício cujo objetivo último é reabrir a discussão sobre o sentido da vida,
relembrando a importância dos atos gratuitos, dos laços de afeto e solidariedade.

A reengenharia do tempo é a condição de eficiência na produção de si e de uma felicidade revitalizada...

É uma nova arte de viver...

Boa reengenharia... de seu tempo... de sua vida...


Rosanna Pavesi/junho 2012

(Notas: Rosiska Darcy de Oliveira - Reengenharia do tempo - Rio de Janeiro, RJ, Rocco, 2003)


 

Um comentário:

Cristiane Marino disse...

Oi Rosana,

Venho sempre ver seu blog que está a cada dia melhor!
Adorei este post. Também me encantam as imagens que você coloca aqui, principalmente as suas obras.
Menina, você é uma artista!
Um abraço carinhoso